sábado, 22 de setembro de 2007

Tacheles

Tacheles em hebraico significa “se comunicar”, “revelar” ou “falar com clareza”. O uso coloquial já tem outro significado: levar a cabo.


O Centro cultural Tacheles está instalado em um edifício em ruínas, hoje reconstruído, no bairro de Mitte (onde eu moro). Essa zona, localizada na parte oeste da cidade, antigamente abrigava o bairro judaico. Hoje sua característica atrai os amantes das artes, cultura e, principalmente, é ponto de encontro de artistas.














O Prédio foi erguido em 1907 e era a entrada da Friedrichstadt-Passage (um grande centro comercial). Não demorou para que essa empresa quebrasse, sendo o prédio adquirido pela AEG. Essa última, instalou no local a Haus de Technik, onde expunha e vendia seus produtos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o partido nazista abrigou no prédio o Departamento de Organização e Administração. Claro que não ficou nisso, no quinto andar foram colocados prisioneiros de guerra franceses. Sendo o edifício tão interessante para os Nazistas, não demorou muito para que ele se tornasse um alvo dos bombardeiros aliados. Entre 1943 e 1945, as bombas chegaram ao Tacheles que foi muito danificado mas não destruído completamente.














No ano de 1948, metade do prédio era utilizada para diferentes funções, enquanto a outra metade era esquecida e se degradava gradualmente. Tudo porque o governo, da antiga Alemanha Oriental, não tinha dinheiro para as reformas necessárias, além de não ver uma utilidade futura para a área. Bom, eles até acharam uma: estocar material de construção. Uma ironia para um prédio que necessitava ser renovado. Esquecido ele ficou e o tempo passou.














A última parte da estrutura seria demolida em Fevereiro de 1990. Felizmente, em Abril desse mesmo ano um grupo de artistas invadiu o local. Tomou as instalações e declarou o edifício como um monumento histórico, devido a sua arquitetura e estrutura de aço. Com a renovação do Mitte e das área próximas como Prezlauer Berg e Friedrichshain, artistas do mundo todo passaram a aproveitar os espaços livres como teste para seus estilos de vida alternativos e liberais. Uma filosofia que pregava a autonomia, a espontaneidade e a improvisação.














Assim a Tacheles logo se tornou famosa. A característica do edifício, somada aos novos inquilinos, que trouxeram criatividade e vida a região, fizeram desse prédio um centro reconhecido internacionalmente. Hoje ele está em quase todos os guias de viagens e o Mitte virou o bairro da moda Berlinense.

Chegar pela primeira vez aqui assusta um pouco. E foi esse edifício a principal inspiração para o texto sobre a Cidade Baixa. As duas fotos que anexei lá em baixo são dessa galeria. Com o tempo, entendi que a Tacheles é muito mais que uma festa descolada no final de semana. É um estado de espírito artístico. Onde além da galeria se pode tomar uma cerveja cercado de pessoas estranhas, turistas e alemães de todas as idades.














Aproveito a feliz coincidência de sermos “vizinhos” para passear por suas instalações semanalmente. Observo os artistas que ali abrigam seus ateliês e também os grafiteiros que deixam seus rabiscos por toda parte. Para mim tudo é lindo, novo e curioso. Mesmo para um cara liberal, se defrontar com tamanha anarquia pode ser assustador. Isso só no início, claro.



Inspiradora. Talvez seja essa a palavra que melhor defina a Tacheles, para mim. Vamos ver se esse sentimento se traduz em algum trabalho pessoal relevante. Como falou meu pai, apesar de ser bem internacional, não tem nenhum brasileiro lá. Só tendo um coroa corujão ao teu lado para sonhar tão alto.

3 comentários:

maridulac disse...

Marco, adorei o teu blog, vou voltar sempre pra ver o que andas descobrindo por aí. Parabéns, tu escreve superbem.
beijos, Mari.

perestroika disse...

Indiquei teu blog pra uma galera.

http://blogperestroika.blogspot.com/2007/09/da-amrica-para-alemanha.html

Olha a responsa!

Tá bala, meu. Te diverte aí e continua contando pra nós tuas histórias.

Grande abraço, Márcio (Callage).

Sofia disse...

Conheço bem o spot já la fui por duas vezes, que visitei Berlim. Do mesmo modo que o Weinerei! Adoro a cidade, adoro o ambiente. Cheguei de lá a duas semanas e ja tenho saudade!