quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Brazilian Wax

Uma das coisas que eu mais gosto no meu relacionamento com a Lisi é não termos ciúmes. Não que ele seja inexistente, isso seria uma mentira. Digamos que ele fique em um nível salutar e respeitoso. Manter o ciúmes em um estado adormecido é fundamental em um relacionamento a distância. Imagino como seria complicado, para outra mulher, entender que seu marido está sozinho em um país de loiras gigantes. No caso da Lisi isso não assusta. Ela se garante com seus 1,60cm. Tá bom amor, 1,63cm.

O engraçado é que mesmo que eu fosse um canalha taradão, ela não teria motivos para ciumeira. Ao contrario do que o Manir falou, dizendo que as loironas ficam malucas com um latino, aqui na Alemanha elas nem me olham. Tudo bem que não sou nenhum bonitão mas tem coisa bem pior no mercado. E isso não sou eu quem está falando. São os corações que aparecem no meu perfil do orkut.

Para falar a verdade, eu nem tinha reparado que estava tão mal na foto. Só fui perceber depois de trocar uma idéia com alguns amigos brasileiros lá da agência. O meu problema não é o maxilar pequeno e nem o nariz maiúsculo. O meu problema aqui é a quantidade de cabelo no corpo.

Porra. Logo isso? Se fosse qualquer outra coisa até tentaria arrumar. Operar o nariz? Fazer musculação? Colocar um dente de ouro? Tudo seria mais fácil do que depilar meu lindo peito cabeludo. Isso se o problema fosse só o peito. Ele vai além. Passa pelos braços, pernas e vai até o saco. Que coisa. Definitivamente não sou corajoso como o Bruno Cardoso para passar a gillette. (Fudi com o Brunão nessa)








A. barbadensis Mill., A. vulgaris Lam. ou Aloe Vera, a popular babosa


E pensar que, no colégio militar, tinha uma gurizada que colocava babosa no peito e no bigode. Tudo para ficar com cara de homem. Eu não precisava, desde novo já ostentava um belo tórax cabeludo. Sempre me orgulhei de ser do tipo Tony Ramos. A testosterona é um hormônio em alta aqui nesse corpinho. Um macho como nos velhos tempos. Do Tempo das cavernas.

3 comentários:

Bam disse...

Não precisa de gillette, Marcão, é só dá um tapa com uma máquina de leve (às vezes vc pode errar, aí fudeu). Outra opção pruns caras cabeludos igual a gente, é fazer tranças nos cabelos do peito.
Obrigado pela lembrança no seu Blog, dá próxima vez fala alguma coisa positiva (pode mentir, viu) pra compensar esse post.

Abração.

Felipe Luchi disse...

Loco,

Mostra esse teu peito cabeludo pra hostess do KIT KAT e aprende como se diz "Homem Moita" em alemão.
Vai brilhar.

Abrs
Felipe

_ _ _ _ _ _ disse...

Deu vontade de passar lápis no olho tb, Locao?